Eletrobras é certificada para emissão de títulos verdes

Foto: Empresa pode emitir papeis para financiar projetos de geração de energia solar e eólica

A Eletrobras agora pode emitir títulos verdes (green bonds) para financiar projetos de geração de energia solar e eólica. A empresa recebeu a certificação da Climate Bonds Initiative, uma organização internacional sem fins lucrativos que avalia projetos sustentáveis. A certificação teve apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Os títulos verdes são papéis de dívida usados para captar recursos destinados a financiar projetos ligados à sustentabilidade, como infraestrutura de energia renovável, transporte verde e projetos capazes de reduzir emissões e o consumo de água, energia e matérias-primas, entre outros.

Dados do BID apontam que, no Brasil, tanto a oferta de títulos verdes quanto o interesse do mercado em financiá-los são crescentes por meio de fundos de investimentos ou pelo envolvimento de empresas com compromissos socioambientais. Até janeiro de 2020, foram emitidos títulos verdes brasileiros no valor em torno de US$ 5,75 bilhões nos mercados nacional e internacional, segundo o banco.

Em junho de 2019, a AES Tietê se tornou a primeira empresa brasileira a emitir debêntures de projeto solar com certificado de Green Bond (debêntures verdes) no Brasil. 

Em abril de 2019, a companhia captou R$ 2,2 bilhões em debêntures – sendo R$ 820 milhões como Green Bond com prazo de até dez anos. Os recursos obtidos com a emissão das debêntures verdes serão destinados às Usinas Solares de Guaimbê e de Ouroeste, que atualmente são os maiores projetos de energia solar do estado de São Paulo. 

Os dois projetos de infraestrutura possuem contratos de longo prazo, que contribuirão para o abastecimento do sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil, o SIN (Sistema Interligado Nacional).

Segundo a empresa, a certificação dos títulos veio por meio da chancela da CBI (Climate Bonds Initiative), organização internacional que fomenta o mercado de títulos para investimentos em soluções sobre mudanças climáticas, e da Sitawi, Oscip que desenvolve soluções financeiras para impacto social. Com a captação da AES Tietê, o mercado de títulos verdes brasileiros se aproxima da marca de US$ 5 bilhões, de acordo com dados da CBI. 

Fonte: Portal Solar