top of page
Fundo.png

Uso agrícola do lodo de esgoto promove sustentabilidade ambiental

Desde 2007, mais de 280 mil toneladas do produto já foram aplicadas em terras paranaenses. Chamado também de biossólido, o lodo é cedido gratuitamente, fertiliza o solo e corrige o pH, contribuindo para o aumento da produtividade

A Sanepar dissemina o programa de utilização do lodo de esgoto na agricultura, desenvolvido há mais de 10 anos em todo o Estado. Gerado nas estações de tratamento de esgoto, o lodo tem beneficiado produtores rurais de várias regiões.

Desde 2007, mais de 280 mil toneladas do produto já foram aplicadas em terras paranaenses. Chamado também de biossólido, o lodo é cedido gratuitamente, fertiliza o solo e corrige o pH, contribuindo para o aumento da produtividade e reduzindo o custo da produção.

Para a Sanepar, que começou as pesquisas para uso do lodo de esgoto na década de 1990, o programa promove maior sustentabilidade no saneamento, proporciona a reciclagem da matéria orgânica e de nutrientes e reduz a destinação deste resíduo para aterros sanitários.

“Neste processo, ganha a Sanepar, que dá ênfase à sustentabilidade no sistema de esgotamento sanitário, ganha o agricultor, que recebe o lodo sem custos e obtém um ganho de produtividade ao usá-lo como fertilizante, e ganha a natureza, que recebe um produto tratado e com o devido controle de qualidade, reduzindo os impactos ambientais”, afirma a diretora de Meio Ambiente da Sanepar, Fabiana Campos.

Nutrientes

Por ser resultante da decomposição do esgoto pela ação de bactérias, o lodo é rico em carbono e em nutrientes, o que ajuda na recomposição de matéria orgânica e fertilidade do solo. A sua utilização é regulamentada por leis federal e estadual, que estabelecem parâmetros de sanidade, substâncias orgânicas e metais pesados.

“A Sanepar faz controle para garantir a qualidade do lodo quanto a odores, metais pesados e microrganismos. Além disso, oferecemos assistência técnica para aplicação do produto”, afirma a engenheira agrônoma Sandra Regina da Silveira, responsável pelo programa na Região Nordeste do Estado.

O lodo pode ser utilizado em diversas culturas como soja, milho, trigo, aveia, café, laranja, amoreira e canade-açúcar. O seu uso é proibido em hortaliças, pastagens, cultivo de batata, mandioca e outros produtos in natura. Como precaução, também é proibido em Unidades de Conservação, Áreas de Preservação Permanente e próximo a residências e reservatórios de água.

Guarapuava

O agricultor Gilberto Veronese, de Guarapuava, foi um dos primeiros agricultores a receber lodo da Sanepar na região, em 2011. A primeira vez que aplicou lodo, Veronese usou antes do plantio da soja, em uma propriedade no município de Porto Barreiro.

Com os resultados positivos, continuou utilizando o biossólido. A última aplicação foi feita no ano passado, em outra propriedade em Laranjeiras do Sul. “Nunca tive dúvidas do potencial do lodo agrícola. São feitas análises do lodo e do solo para saber exatamente onde e a quantia necessária a aplicar. Fizemos coletas periódicas para análise de precisão e a melhoria do solo é visível”, diz.

O engenheiro agrônomo que cuida das propriedades de Veronese, Márcio Dulnick, confirma que o resultado é um solo mais rico e bem preparado. “Os índices de cálcio, magnésio, potássio e fósforo melhoraram muito e a produtividade de soja aumentou em quase nove sacas por alqueire”, afirma.

Exemplo

Em 2016, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente passou a divulgar a experiência de uso agrícola do lodo de esgoto no Paraná como um bom exemplo. A aplicação do lodo na agricultura já é comum nos Estados Unidos, Canadá, França, Austrália, entre outros países.

Fonte: Portal Tratamento de Água (goo.gl/mxPdPo)

Comments


bottom of page