Publicações EcoValor Consultoria em Sustentabilidade

Publicações

  • EcoValor

Esses sapatos são feitos de bambu, cana-de-açúcar e cortiça – além de totalmente neutros em ca

Fabricar um par de tênis típico pode gerar cerca de 13,5 toneladas de emissões de CO2, tanto a partir dos materiais dos sapatos quanto da energia usada para fazer dezenas de componentes separados em uma média de 360 etapas de processamento. Um novo par de sapatos de uma marca chamada Cariuma diminui essa pegada, trocando materiais e simplificando o design. Em seguida, a empresa compensa a pegada restante, tornando os tênis neutros em carbono.

Outras marcas “são principalmente grandes empresas com produção massiva que não estão realmente focadas em se preocupar com o meio ambiente como um todo ou mesmo com as melhores práticas para as pessoas envolvidas. . . na produção em massa “, diz Fernando Porto, co-fundador e diretor de criação da Cariuma no Brasil, que decidiu deixar um emprego em uma empresa maior há dois anos para explorar a ideia de fabricar sapatos de maneira diferente. “Para nós, ficou claro que nosso ângulo estaria tentando trazer a única marca de tênis que seria bonita, louca, confortável e fabricada conscientemente”.


O novo sapato é chamado de Ibi e é vendido por US $ 98. A parte superior é tricotada a partir de uma mistura de bambu e plástico reciclado. A empresa desenvolveu uma nova maneira de trabalhar com bambu, que normalmente é transformado em fibra através de um processo severo que envolve a dissolução do material semelhante a uma árvore com um produto químico tóxico que pode colocar em risco os trabalhadores e poluir o meio ambiente próximo à fábrica. O processo de Cariuma aquece o bambu para transformá-lo em carvão em pó; misturar esse pó com plástico PET reciclado possibilita a criação de um fio que pode ser usado na confecção dos sapatos. (Outras empresas de calçados usam apenas plástico reciclado para tricotar seus produtos.) À medida que o bambu cresce, ele sequestra o carbono, tornando-o neutro em carbono como material. Quando o bambu é colhido, ele não mata a planta, que continua a crescer e seqüestrar mais carbono.

A espuma na sola, que normalmente seria feita a partir de produtos petroquímicos, é feita a partir da cana-de-açúcar, que sequestra carbono suficiente à medida que cresce que, mesmo com a fabricação necessária para transformá-la em espuma, é negativo em carbono. Cada tonelada de EVA padrão, a espuma usada nos sapatos, emite cerca de duas toneladas de dióxido de carbono durante sua produção. Para uma tonelada do “EVA verde” produzido a partir da cana-de-açúcar, essas emissões são evitadas e outras duas toneladas de dióxido de carbono são sequestradas. “Não é apenas carbono negativo, mas muito negativo”, diz Porto. As palmilhas do sapato são feitas de cortiça.

Como em outros sapatos tricotados – como os tênis Flyknit, pioneiros na Nike em 2012 – o uso de fios em vez de pedaços maiores de tecido reduz o desperdício. A parte superior do sapato é feita de apenas três peças, simplificando o processo de fabricação que um sapato tradicional e economizando energia. “Dois terços das emissões de carbono no processo [tradicional] de calçados vêm da fabricação”, diz Porto. “Portanto, se você não pensar sobre isso no processo de design enquanto estiver desenvolvendo o produto, não poderá corrigi-lo mais tarde.” Quaisquer emissões restantes, incluindo as de envio do produto para os clientes, são compensadas através de projetos que incluem a proteção de parte da floresta amazônica.


Como grande parte do impacto ambiental da moda decorre do fato de que roupas e acessórios geralmente são descartados após apenas alguns usos, a empresa queria fabricar sapatos que durassem o maior tempo possível. Os elementos do design, incluindo a maneira como a sola é costurada no restante do sapato, tornam-no mais durável. Usar uma estética clássica em vez de buscar tendências também significa que os consumidores tendem a continuar usando os sapatos. “Algo que pedimos no nosso espírito de design sustentável é: ‘Essa estética ainda será agradável aos seus olhos 20, 30 anos depois?’”, Diz Porto. “Se não for, não devemos tentar.”

Os sapatos também são fabricados em uma fábrica chinesa que, segundo ela, segue um rígido código de conduta para o bem-estar dos trabalhadores; Quando a empresa descobriu que seu primeiro parceiro de fabricação estava programando funcionários por 12 horas por dia, retirou-se do contrato e encontrou outra fábrica, adiando a data de lançamento dos sapatos, que agora estarão à venda amanhã.

Fonte: FastCompany

23 visualizações0 comentário